Cantores Afro-Brasileiros


  • Agepê
  • Agostinho dos Santos
  • Alcione
  • Angela Maria
  • Aniceto do Império
  • Ataulfo Alves
  • Ataulfo Alves Junior
  • Beth Carvalho
  • Blackout
  • Candeia
  • Cartola
  • Clementina de Jesus
  • Djavam
  • Dr. Ivone Lora
  • Ed. Motta
  • Elizeth Cardoso
  • Elza Soares
  • Emílio Santiago
  • Gilberto Gil
  • Gonzaguinha
  • Jair Rodrigues
  • João Nogueira
  • Jorge Benjor
  • Jorginho do Império
  • Jovelina Pérola Negra
  • Leci Brandão
  • Luís Gonzaga
  • Luiz Melodia
  • Lupicínio Rodrigues
  • Mano Décio da Viola
  • Martinho José Ferreira
  • Milton Brasília
  • Milton Nascimento
  • Moseuto
  • Neguinho da Beija-Flor
  • Noite Ilustrada
  • Osvaldo Nunes
  • Paulinho da Viola
  • Pixinguinha
  • Roberto Ribeiro
  • Sandra de Sá
  • Tim Maia
  • Wilson Simonal
  • Zezé Mota

Grupos Afro-Brasileiros

  • Fundo de Quintal
  • Molejo
  • Olodum
  • Raça Negra
  • Só Preto, Sem Preconceito


Cartola

Agenor de Oliveira, o Cartola, nasce no Rio de Janeiro, em 11 de outubro. Aos 11 anos vai morar no morro da Mangueira. Aprende cavaquinho ainda criança, com o pai. Funda com Carlos Cachaça o Bloco dos Arengueiros, que, em 1929, se transforma no Grêmio Recreativo Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira. Já em seu primeiro desfile, a Mangueira apresenta um samba escrito por Cartola, Chega de demanda. Desaparece do meio artístico no início da década de 40. Apenas no final dos anos 50 é reencontrado, lavando carros e trabalhando como vigia. Entre seus maiores sucessos estão As rosas não falam e O mundo é um moinho.

Retorna ao início


Gilberto Gil

Gilberto Gil (1942- ) nasce em Salvador, Bahia, em 26 de junho. Gilberto Passos Gil Moreira ingressa na Universidade Federal da Bahia, em 1960, para cursar administração de empresas. Participa de vários festivais, apresentando composições que rompem com a linha tradicionalista da música popular brasileira. Uma delas é Domingo no parque, arranjada pelo maestro experimentalista Rogério Duprat e apresentada por Gil e Os Mutantes. Participa de um show ao lado de Caetano Veloso no teatro Castro Alves, em Salvador, pouco antes de exilar-se em Londres (1969). Sua música Aquele abraço, mostrada na ocasião, transforma-se em um de seus maiores sucessos. Nos anos 80, Gil torna-se grande divulgador da música jamaicana no Brasil. Sua música é caracterizada pela riqueza rítmica e melódica.

Retorna ao início


Luís Gonzaga

Luís Gonzaga do Nascimento (1912-1989) nasce em Exu, em Pernambuco, filho do sanfoneiro Januário. Ainda na infância anima bailes e feiras tocando sanfona. A partir de 1945, passa a compor em parceria com Humberto Teixeira, com quem escreve seu maior sucesso, Asa Branca (1948). Várias de suas músicas trazem a palavra baião já no título, como Abraço do baião e Baião de dois. Nos anos 70, Luís Gonzaga volta aos palcos, muitas vezes acompanhado pelo filho, também cantor e compositor de sucesso, Luís Gonzaga Júnior (Gonzaguinha, morto em acidente de carro, em 29/4/1991).

Retorna ao início


Milton Nascimento

Milton Nascimento (1942- ) nasce no Rio de Janeiro em 26 de outubro. Os pais adotivos levam-no para Três Pontas, Minas Gerais. Aos 15 anos organiza um conjunto vocal, o Luar de Prata, com Wagner Tiso. Em 1966, Elis Regina grava Canção do sal. No ano seguinte, obtém o segundo lugar no 2o FIC, da TV Globo, com Travessia, em parceria com Fernando Brant. Sua música resgata tradições do barroco mineiro (com temas árcades e religiosos), da música vocal dos escravos africanos, e as mistura ao rock, notadamente dos Beatles. Também pesquisa elementos indígenas brasileiros. É admirado por influentes jazzistas internacionais. Grava numerosos sucessos em LPs: Clube da Esquina (1972), Milagre dos Peixes (1974), Minas (1976), Geraes (1977), Clube da Esquina 2 (1978), Sentinela (1981), Ânima (1984), Miltons (1988), entre outros.

Retorna ao início


Lupicínio Rodrigues

O gaúcho Lupicínio Rodrigues (1914-1974) firma nos anos 40 o estilo da música romântica brasileira, com canções melancólicas que expõem frustrações amorosas. Algumas de suas composições, como Nervos de aço (1947) e Esses moços (1948), com temas existencialistas, tornam-se clássicos da dor-de-cotovelo. A partir dos anos 50, o repertório romântico vira carro-chefe de cantoras como Isaura Garcia, Nora Nei, Linda Batista e Francisco Alves.

Retorna ao início


Pixinguinha

Alfredo da Rocha Viana Filho, o Pixinguinha(1898-1973), nasce no Rio de Janeiro, em 23 de abril. Seu apelido vem do cruzamento de "pizidim" (menino bom, no dialeto africano falado por sua avó) e "bexiguinha", ironia dos vizinhos do bairro suburbano de Catumbi à sua aparência quando contrai varíola. Grava seus primeiros discos entre 1910 e 1911, integrando o grupo Pessoal do Bloco. Em 1920 se apresenta para a corte da Bélgica. Em 1928, grava o samba-choro Carinhoso, ainda em versão instrumental. A primeira gravação com letra, escrita por João de Barro, é de 1937, com Orlando Silva.

Retorna ao início




Obs:Os textos referentes a Cartola, Gilberto Gil, Luís Gonzaga, Milton Nascimento, Lupicínio Rodrigues e Pixinguinha foram extraídos do Almanaque Abril 1994.

VOLTAR